Emissora pública de Minas Gerais perde mais de 100 funcionários em um ano

Brasil - Rede Minas, que comemora 30 anos em 2014, passa pelo momento mais crítico de sua história. Por determinação do Ministério Público do Trabalho, a emissora pública de Minas Gerais realizou concurso para a composição do quadro de pessoal entre dezembro e abriu deste ano e vive um processo de desmantelamento.

Enquanto em 2013 a emissora tinha 400 funcionários, agora a Rede vai contar com os 203 trabalhadores que vão ocupar as vagas oferecidas no certame e outras 83 pessoas de cargos comissionados. Ao todo, 286 profissionais, mais de 100 pessoas a menos.

Com isso, o futuro do canal, que vem sofrendo seguidas baixas, é incerto. Das 24 produções originais que figuravam na programação no último ano, apenas 15 estão no ar. “É uma gestão de reprise maquiada. O ‘Agenda’, por exemplo, repete reportagens. Com o ‘Harmonia’ (dedicado à música clássica), eles estão pegando programas antigos, trocando ficha técnica e fazendo de conta que o programa é inédito”, denunciou o jornalista Leandro Lopes, um dos integrantes do movimento #SalveaRedeMinas, em entrevista ao portal do jornal Estado de Minas.

A nomeação dos novos servidores aconteceu no último 17 e os aprovados têm até 60 dias para assumir os postos. Ao longo desse tempo, o aviso prévio dos antigos funcionários vai vencendo. Para o presidente da emissora, a situação é normal para um período de transição. “Temos uma equipe reduzida mesmo. São gargalos previsíveis. Temos um descasamento entre a chegada e a saída de profissionais”, disse.

Mesmo sabendo que os concursados vão assumir os cargos em breve, ainda não está claro como isso afetará a programação da emissora. Para lidar com os “buracos”, a contratação temporária de profissionais foi solicitado em um pedido emergencial na Secretaria de Planejamento. A argumentação do departamento jurídico da Rede Minas deve entrar na pauta de discussões nesta semana. O executivo ressaltou que há muitos aprovados entre os atuais trabalhadores do canal. “O momento agora é de retomada”, garante Miranda.

Fonte: Comunique-se

Publicado em: 25/06/2014